terça-feira, agosto 06, 2013

SER OU NÃO SER MAGRO, EIS A QUESTÃO!


Vocês já comeram pizza de alface? Não recomendo! Até a garçonete ri da minha cara.

Quando me casei, eu pesava 60 quilos. Era tão magro que meu pijama listrado tinha uma única cor, ou seja uma listra. Isso não era tão importante, já que, no começo do casamento, quem é que vai se preocupar com a cor ou as listras do pijama? Nem com o uso do dito cujo.

O tempo foi passando, a Nina me tratando bem, e eu fui engordando. Um quilo por ano. Tanto que, com 5 anos de casado, pesava 65 quilos. Nas bodas de prata, não comemorei os 25 anos de casamento. Comemorei foi o ganho de 25 quilos. A coisa toda era tão regular que eu já não contava mais o tempo de casamento em anos. Contava em quilos.  Eu não dizia, por exemplo, “há trinta anos atrás, quando casei...” Eu já falava “há trinta quilos atrás, quando casei...”

De repente, não sei o que aconteceu, se foi a Nina que passou a me dar mais comida ou sei lá o quê, desembestei a aumentar meu peso mais de um quilo por ano, até chegar à casa dos 105 quilos. E, dessa vez, os 45 quilos a mais não correspondiam ao tempo de casamento.  A coisa toda ficou tão feia que precisei voltar a falar em “anos” de casamento. Até o dia em que alguém tirou uma foto minha, de perfil. Gente, que coisa horrível! Quem não me conhecesse, seria capaz de jurar que eu esperava gêmeos. Foi aí que resolvi fazer um regime, por minha conta, sem sacrifícios, sem remédios, sem médicos, em segredo até para a Nina. Reeducação alimentar por minha conta! E foi o que fiz. O peso começou a cair à incrível marca de 1 quilo por mês. Um ano após iniciado o regime, eu já pesava 12 quilos a menos.

Um dia, numa farmácia, ouvi uma senhora, preocupada e espantada ao descer da balança, comentar com outra:

“Nossa! Cheguei à casa dos oitenta!”

Pois foi nesse tempo que eu, no silencia de meu banheiro, subi na balança e, alegre, comentei comigo mesmo e depois com a Nina:

“Nossa! Cheguei à casa dos oitenta!”

De repente, não sei o que aconteceu, se foi a Nina que passou a me dar ainda menos comida ou sei lá o quê, a balança do meu banheiro começou a diminuir meu peso de forma ainda mais rápida e dramática que a velocidade de 1 quilo por mês e cheguei à casa dos 86 quilos. Isso me deixou bem preocupado, pois escapava aos meus planos de regularidade mensal, e resolvi investigar o que estava errado no meu regime. Fui pesar-me na balança da farmácia: 92 quilos. Lógico que eu estava vestido, né? Não sou besta de me pesar nu numa balança de farmácia. E se chega a polícia? Chegando em casa, tranquei-me no banheiro. Com roupas, 88 quilos. Sem roupas, 86 quilos. Não! Não estava certo! Isso merecia uma “sherloquisação” em regra. E descobri! Era a pilha da minha balança que estava descarregando e me roubando alguns quilos. 

Pode, uma coisa dessas? Tipo do apoio besta que não pedi!

Bom, trocada a pilha, depois de alguns dias, realmente, cheguei aos 89 quilos. Só que uma preocupação chegou. E aí? Agora que me acostumei a comer muitas verduras e legumes, a não exagerar em carboidratos, a não mais “picnicar”, à noite, enquanto fico na internet, a fazer um pouco de exercício, como vai acabar tudo isso? Se eu paro com o meu regime, sou capaz de voltar ao peso máximo, como já aconteceu uma vez. Se continuo, continuarei perdendo um quilo ao mês. Até chegar aos meus 60 quilos do “dia do meu casório”. E continuarei perdendo um quilo/mês até chegar ao peso de minha adolescência. E continuarei perdendo um quilo/mês até chegar ao peso de minha infância. E continuarei perdendo um quilo/mês até chegar ao peso de...

Aí a Nina resolveu intervir:

“Pode parar por aí! Já troquei fralda de nenê o suficiente. Não vou trocar fralda de nenhum nenê a mais. Nem que seja você!”  


        -            -            -            -            -   
OS BICHOS, NO SÍTIO

O macaco, aí ao lado, vinha passeando pelos fios de eletricidade (desencapados) e tomou um baita choque. E caiu! O caseiro o pegou e o trouxe para que víssemos. Depois das fotos, o bichinho foi colocado sob as árvores do jardim. Aos poucos foi recuperando as forças e a agilidade, subiu em uma das árvores, dali pulou para outra, e desapareceu no mundo. Felizmente, totalmente recuperado. Foi só um susto.



EXPOSIÇÕES DE ORQUÍDEAS

Alguns amigos internautas, principalmente do Facebook e das listas de discussões sobre plantas, especialmente as de orquídeas, me perguntam por onde andarei para que possamos nos conhecer pessoalmente. Assim, tendo aí ao lado a foto de uma Lycaste de minha coleção, deixo a lista das exposições em que estarei coordenando os julgamentos, nos meses de agosto e setembro: 02 a 04/08 Pirassununga/SP - essa já foi; 09 a 11/08 Pouso Alegre/MG; 16 a 18/08 Piracicaba/SP; 22 a 25/08 Várzea Paulista/SP; 30/08 a 01/09 Mogi das Cruzes/SP; 06 a 08/09 Jarinu/SP; 13 a 15/09 Alfenas/MG. Em princípio, essas são as exposições para as quais fui escalado pela Coordenadoria das Associações Orquidófilas do Brasil. Pode acontecer de, uma ou outra, ser substituída por outra cidade, já que, para esse período, estão previstas 26 exposições em SP, MG, MS e PR. Além dessas em que estarei dirigindo os julgamentos das plantas, ainda estarei (27/09) em Sorocaba, mas apenas levando as plantas de minha associação e fazendo parte do corpo de juizes da exposição. Mais para a frente passo a lista de por onde andarei nos meses de outubro a dezembro. 

Abração a todos e até à próxima.
JF

17 comentários:

maray disse...

Eu também acho muita injustiça essa questão de peso. Pelo menos comigo: quando era criança não tinha dinheiro em casa pra nada de guloseima. Só um bolo pulmann quando vinha visita, se é que se pode chamar aquilo de guloseima. Resultado: eu sempre fui magérrima. Quando casei cheguei ao meu peso ideal e lá fiquei por mais de 20 anos. Com a menopausa, engordei seis quilos que tem sido um sufoco perder. E logo agora que eu poderia comprar chocolates e guloseimas de verdade... Poder posso, mas não devo. E, medrosa que sou, obedeço meu médico: verduras e frutas. E em sonhos, salames e bacons. Não é uma injustiça? E nem gorda sou...
Vou anotar as endereços das exposições e pretendo conhece-lo ainda este ano. E, de quebra, pegar algumas dicas de orquídeas, porque costumo matar todas que me dão. Tipo assim: conhecer você antes que desapareça, de tão magro ;)

abraços

Nina Maria disse...

Amado da minha vida!Você está ficando um "gato"!
Não fique preocupado em emagrecer demais, pois com as exposições de orquídeas, que virão, durante a semana,você irá emagrecer o que engordar no fim de semana.
Ainda bem, pois você não pode "sumir"!
Beijos

Luciana Vannucchi de Farias disse...

Pior que seus quilos vieram pra mim!!! Preciso criar vergonha na cara para essa reeducação, também ;)

Beijão!!!

Claudinha ੴ disse...

Hahahaha, seu gordinho, não vê que a Nina gosta docê com os 'anos' a mais? A gente não comsegue viver e se sentir bem com o peso do dia do casório. Imagine eu com 49kg... Quando voltei do hospital de minhas férias prolongadas lá, pesava 50 kg mais parecia uma múmia com covas na cara... Também estou no controle JF, mas no controle com academia e com redução voluntária de guloseimas... rsrsrs. Pizza de alface? Dispenso!
Ah, vou falar com o Szafir, quem sabe apareço em Pouso Alegre? Pode me confirmar local e horário?
Beijos!

Mimirabolante disse...

Fico muito feliz e agradecida em ver voce acompanhar o meu trabalho....mil beijocas e mt obrigada !!!!

J.F. disse...

Alô, pessoal.
Quando redigi esta postagem, não lembrava mais quem havia tirado a foto da pizza de alface. Daí a razão de estar sem os devidos créditos. Agora, tendo perguntado no "facebook", descobri que a foto é de minha amiga muito querida Vera Coelho, de Fortaleza/CE, presidente da Associação Cearense de Orquidófilos. A foto foi feita na cidade de Rio Claro/SP, em 2011, durante exposição de orquídeas nessa cidade.

J.F. disse...

Oi, Maray. Quando de meu primeiro regime (com acompanhamento médico), tomava remédios e não podia comer uma série de coisas. Quase fiquei louco e voltei a engordar tudo o que havia perdido. Desta vez, como de tudo (só que em quantidades menores), não tomo nenhum remédio, não faço picnics de madrugada, e, como não tenho problemas de saúde, não vou ao médico de regime. Só não é tão rápido como da outra vez, mas acredito que, desta vez, não voltarei a engordar.
Terei muito prazer em conhecê-la pessoalmente e dar dicas sobre orquídeas. Não sei muita coisa sobre elas, não. Afinal, comecei a bem pouco tempo. Só 42 anos, lá em 1971.

J.F. disse...

Obrigado, gatinha Nina! Não sumo, não! Você ainda vai me aguentar por muito tempo. Beijos.

J.F. disse...

Oi, Lu. Que prazer! Você é nova por aqui, não é?
Filha, você é a pessoa que mais vezes começou um regime que eu conheço. E quando você quer, você consegue. Só que precisa manter. Que tal recomeçar e alcançar os 16 Kg que eu já perdi?
Beijão.

J.F. disse...

Oi, Claudinha.
Já lhe enviei um e-mail com o endereço e mais os celulares meu e da Nina, para que você possa nos localizar.
Confirmando o local:
Educandário Nossa Senhora de Lourdes de Pouso Alegre
Rua Adolfo Olinto, 522 – Centro
Horários:
6ª feira, dia 9: das 20 às 22 hs;
Sábado, dia 10: das 8 às 22 hs;
Domingo, dia 11: das 8 às 17 hs.
Abração.

J.F. disse...

Oi, Monique (Mimirabolantes). Seu blogue, voltado para o meio ambiente e a reciclagem, além de ser escrito de forma inteligente e não cansativa, é de grande utilidade. Gosto muito de segui-lo.
Abração.

Luma Rosa disse...

Ahhhh, não creio que vai estar em Pouso Alegre, minha cidade natal!!
Diga para a Nina que ela está enganada quanto estar na exposição e emagrecer! Pouso Alegre é um lugar maravilhoso para se comer e foi até citado no livro que a Dinah Sfat escreveu: "Viajei para vários lugares, mas nunca comi tão bem como em Pouso Alegre". Se quiser dicas de onde comer... hahahaha. Acho que não!!
Outro dia no programa "Bem estar" estavam falando das calorias das diferentes pizzas e compararam a pizza de rúcula com a de atum. Qual tem mais calorias? Ambas têm queijo e pizza sem queijo não existe! A de rúcula tem menos calorias, mas tem as calorias do queijo. Dá-lhe focaccia!
As gordurinhas a mais cumprem a sua função com o passar dos anos. Pelo menos não terá osteoporose!
Boa sorte na dieta!!
Boa exposição!!

Rosamaria disse...


hahaha, eu adoro te ler, J.F.!
Quero o cardápio da Nina para emagrecer, pois há 20 anos entrei na menopausa e aumentei 1k por ano. Nem quero emagrecer muito, pois sabes como é, a gravidade nos deixa mal, mas quero parar de aumentar de peso.
Uma ótima exposição pra ti, depois mostra as fotos.
Bjim pra ti e pra Nina

J.F. disse...

Oi, Luma. As exposições em MG são contraproducentes para qualquer regime. A expo Pouso Alegre foi muito boa. Tanto a expo quanto a comida mineira (hehehehehehehehe!). E logo virá a expo Alfenas e, depois, a expo Brasópolis. E se for escalado para a expo Caxambu...
É verdade! Pizza de alface com mussarela não ajuda muito o regime. Só que quiseram me servir pizza de alface SEM mussarela. Essa não!
Abração.

J.F. disse...

Oi, Rosa.
Também gosto muito do seu blog. Sempre com belas fotos e excelentes narrativas Obrigado por seu carinho.
Abração.

Sissym Mascarenhas disse...

JF, voce é muiiiiiiiiito engraçado escrevendo. Espirituoso! Engordar é tão facil, mas emagrecer é tão complexo! Sobre a pizza de verdura, de alface nunca comi, mas de rucula sim... rsss... mas tinha a tal farinha branca, inimiga do ponteiro que desce.

Beijos
Sissym

Marli Borges disse...

Ah, J.F.!
Preciso falar com a Nina! Preciso aprender esse cardápio!Nem é tanto para emagrecer, mas principalmente para não engordar.
Bjs para vc e para a Nina. (não esqueça de agendar com ela um encontro sobre cardápios...)