segunda-feira, outubro 01, 2012

BRANCA DE NEVE E OS SETE PICARETAS


Gentes,

Hoje, eu irei narrar uma versão mais moderna da história da Branca de Neve e os sete anões. É óbvio que é tudo ficção. Nada a ver com a realidade. Qualquer coincidência é mera coincidência não intencional, mesmo. E vamos lá.

Era uma vez sete anõezinhos que exploravam algum tipo de negócio escuso, bem lá no meio da floresta. Os negócios não iam lá muito bem, pois o IBAMA entendeu que eles estavam derrubando árvores de “mata atlântica” e lascou-lhes uma tremenda de uma multa. Mas esse não era o seu principal problema. Seu drama era Branca, a feitora, que vivia com eles em regime de “Dona Flor e seus sete maridos”. Branca gostava de gastar dinheiro em Shoppings. Vai  daí que, quando um bando de “sem terras”, aliados ao PCC e a alguns políticos, apossou-se da mina de diamantes dos anões, secando-lhes a fonte de dinheiro, Branca mandou a gurizada às favas e tratou de procurar fonte segura de copioso dinheiro.

Mas, o que fazer nestes tempos de crise em que o dinheiro anda curto? Entrar para a política? Não! Muito perigoso! Que o digam os políticos que estão respondendo pelo “mensalão”.

E foi assim que Branca teve a mais original idéia de sua vida: vender sua virgindade! E colocou seu hímen à venda, num site de internet. Desses que vendem de tudo: de CDs a automóveis, de anzóis de pesca a hímens. Levaria seu hímen aquele que mais pagasse. E não é que deu certo? A TV e os jornais, na falta de algo importante a noticiar, encarregaram-se da publicidade volumosa e gratuita. Hordas de trouxas tarados, encantados pela donzela de cabelos negros e pele alvíssima, foram fazendo seus lances. Lógico que Branca pediu pagamento antecipado. E lá ela seria suficientemente besta de entregar seu hímen e ficar a ver navios? Principalmente porque os que fizeram lances eram políticos e vocês sabem como políticos costumam cumprir com o que prometem, não é mesmo?

Dessa forma, com o dinheiro do adiantamento, Branca pode pagar seu cirurgião plástico pela cirurgia de recomposição de hímen, pois os anões de há muito tempo já haviam rompido tudo o que havia para ser rompido, se é que vocês me entendem. O dinheiro serviu, também, para comprar o silêncio dos anões que, a estas alturas, já andavam “arrastando asas” para os lados da Rapunzel. Deu, também, para comprar uma casa para o pai e para a madrasta (que era uma bruxa muito malvada), maravilhados com o desprendimento da donzela.

E Branca tornou-se, oficialmente, uma “não virgem”, endinheirada e com uma promissora carreira pela frente. Nada de príncipe encantado, pois este, a essas alturas,estava indisponível, amasiado com o motorista de um deputado, mas oficialmente livre de seu hímen graças à intervenção e ao dinheiro de “caixa dois”, sobra de campanha, de um político de primeiro escalão, daqueles que habitam Brasília.

E a carreira começou.

A revista Playboy já tem garantida sua participação, com doze páginas e a capa, para dentro de dois meses.

Duas redes de TV começaram uma disputa acirrada para contratá-la. A participação de Branca é garantia de sucesso para qualquer “reality show”. Mas isso deixou-a com um grande problema. E agora? Como decidir? Participar do “A Fazenda” ou do “BBB”?

Mas, como isso é coisa para o ano que vem, Branca já está de malas prontas para mudar-se para a Europa, onde já está de casamento marcado com um famoso jogador de futebol brasileiro que atua por lá. E os planos para esse casamento já estão prontos. Depois de um ano, pedirá o divórcio e receberá dois milhões de indenização por ter entregue um ano inteiro de sua maravilhosa existência a um desmiolado cafajeste que a deixava sozinha, à noite, enquanto perambulava pelas baladas em companhia de umas modelos e de travestis.

E depois da fase européia de sua carreira? Bom, irá casar com um diretor de alguma emissora de TV, talvez dessas de segunda linha, e, dessa forma, terá seu próprio programa de entrevistas. Afinal, um dia, todos precisarão ter uma profissão definida e um trabalho fixo.

Oh, vida!!!
                    -               -               -               -                -
Abração e até à próxima.

JF

13 comentários:

Ana Carla disse...

Triste, não é mesmo, JF? Que mundo é esse? Que valores são esses?

J.F. disse...

Carla,
Sabe-se que virgindade, hoje em dia, é coisa em desuso. Mas, dignidade não pode ser posta de lado, não é mesmo?
Abração.

Maze Oliver disse...

É amigo, no nosso país os valores estão trocados!Falta de vergonha na cara e dignidade!Bjim.

J.F. disse...

É isso, Mazé. Pura inversão de valores. Mas, isso dá "Ibope" e toda a imprensa dá a cobertura esperada. Até parece golpe publicitário!
Abração.

lenalima disse...

Tenho um probleminha, não consigo me acostumar e aceitar essas modernidades loucas desses tempos malucos ,sei lá
os valores ficaram perdidos no passado!
mas ri muito com essa sua postagem!
Abraços!

J.F. disse...

Lena,
Você não está sozinha com esse probleminha. Essas modernidades também me deixam intrigado. Antigamente, isso seria considerado prostituição.
Abração.

maray disse...

e pensar que a minha eu dei de graça...e ainda estudei pra caramba, trabalhei pra caramba, tudo pra chegar na minha idade e ganhar uma aposentadoria pequena pra caramba...snif...e não posso nem mesmo me gabar de dormir com a consciência tranquila porque tenho insônia! Bom, mas é a vida. E eu adoro viver!!

J.F. disse...

Maray,
A Nina está me ameaçando de por juros e correção monetária na minha dívida com ela. Pode uma coisa dessas?
Abração.

DILERMArtins disse...

Mas bah, JF.
Confesso que ri... Ri pra não chorar!

Claudinha ੴ disse...

Enquanto a VEJA reformula os contos de fadas, JF sai na frente e mostra a Branca de Neve real e atual. Meu Deus... JF desta vez você se superou, hahahaha. Um beijo para todos!

Anônimo disse...

Hahahaha ! Estava eu aqui na frente do meu PC, meio que monótono, quando de repente deparei-me com o teu blog. JF, estás de parabéns por tua mente viva e sincronizada com a energia cósmica magnética do universo! Pulsando junto com as boas vibrações divinas! Voltarei! Abraço.
Carlos Eduardo.

KS Nei disse...

JF, não acho que os livros estão acabando.
Quando o cinema apareceu, diziam que o teatro morreria.
Quando a tv apareceu, o cinema morreria.
As midias ligadas à tv surgiram e ainda vamos ao cinema, ao teatro e vemos tv. Além do You Tube.
Por isso, como diz o Millôr, livro não enguiça.
Gente como nós manterão suas bibliotecas.

Abraços!

Luciana Vannucchi de Farias disse...

Eu ia comentar... mas ainda estou rindo com o que a Maray escreveu...