quinta-feira, setembro 06, 2007

Transporte aéreo de 5º mundo em país de 3º mundo

Gentes,

A Lu está até agora em Cumbica, aguardando embarque para Brasília. O Prenholato está de plantão, para pegá-la no aeroporto.

O vôo estava previsto para 8,50Hs, reserva feita na BRA e enviada à Lu pela editora.

Na ida para o aeroporto, já pegamos congestionamento na Via Dutra. Era de se esperar.

Chegamos ao aeroporto às 8,06hs. Para começar, não se consegue saber onde é o setor de EMBARQUE. Só existem indicações DESEMBARQUE. É uma coisa inacreditável. Para saber-se do EMBARQUE, é necessário que se vá perguntando, quase que de pessoa em pessoa!

A última indicação (ORAL) sobre o EMBARQUE é que o mesmo se faz no primeiro andar. Muito lógico, não é mesmo? Ao menos eu pensei nessa lógica para não soltar um palavrão! E o balcão da BRA era ao lado do balcão da GOL, no 1º andar. Perfeito!

Passando pela GOL, diversas filas. Mas, na BRA, não havia filas. VIVAAAA!!!!!!!

Na entrada do setor da BRA, havia duas meninas uniformizadas. Pensei: Devem ser porteiras! Mostramos o fax que a Lu recebeu, referente à reserva. Elas leram o fax inteirinho.

"Mas não é aqui! É na Ocean Air!" Já ia perguntando o que era isso, quando uma vaga lembrança me fez recordar que existe uma empresa aérea com esse nome. Indicaram-nos onde era o balcão da Ocean Air e lá fomos nós.

Quando nos afastamos, vi que as duas porteiras tinham, nos uniformes, emblemas da CVC. Ué! CVC não é uma empresa operadora de turismo? O que elas estavam fazendo lá na entrada das baias da BRA? Deixa prá lá.

Achamos o setor da Ocean Air. Bem pequenininho, com quatro pessoas atendendo. Nessa altura, já eram 8,20hs! A fila... Ahh, a fila! Enooooorrrme! Os funcionários, por sua vez, atendendo na maior lerdeza e... batendo papo entre si. Falei para a Lu:

"Lu, pela fila e pela vontade de trabalhar, esse vôo está atrasado."

Dali a pouco, um dos funcionários saiu de tras do balcão e veio correr a fila.

"Qual é o destino?"

"Brasília!"

"É nessa fila, mesmo!" Só havia uma fila. Não dava para escolher outra.

"Tem bagagem para despachar?"

"Não! Só a maleta de mão."

"Tem algum objeto metálico dentro?"

A Lu lembrou:

"Eu tenho um estilete."

Era o que faltava! Seriam capazes de achar que ela ia colocar o estilete no pescoço do piloto e dar uma ordem:

"Isto é um sequestro! Leve este avião diretamente para o aeroporto de... Bom... Pode ser Guarujá!"

Ela me entregou o estilete e eu perguntei ao "coisinho" se o avião estava no horário.

"Está!" E foi se afastando. Já passava ligeiramente das 8,30hs, mas já ouvíamos alguns comentários, na fila, de que o avião estava atrasado. Mas, aos poucos íamos nos aproximando do balcão. A velocidade devia ser, nessa altura, de quatro passageiros por hora. Mas, já estávamos
quase lá! Umas oito ou dez pessoas na frente.

O coisinho já estava, novamente, atrás do balcão. Dali a pouco, uma coisinha saiu de trás do balcão e veio percorrer a fila. Por uma imensa sorte, veio direto em nossa direção.

"Qual o destino?"

Dessa vez, a Lu foi mais esperta e não deixou a coisinha "se mandar".

"Brasília. Só que estou sem a passagem, só com este fax que me foi enviado por quem fez a reserva, em Brasília".

Coisinha leu o fax inteirinho. Até as indicações de onde o Prenholato deveria encontrar a Lu.

"Pode sair dessa fila e fique direto no balcão, que será a próxima a
ser atendida." Que felicidade!

No balcão, em frente ao atendente que nos daria prioridade, estavam duas pessoas. Que também tinham um papel indicando a reserva. Só que o atendente não conseguia localizar em sua relação e em nenhuma outra relação, no mundo inteiro! Acho que ele gastou, com telefonemas, mais que o valor das passagens! Nesse meio tempo, coisinha foi descobrindo
outras pessoas que também iam para Brasília e os foi tirando da fila. Dali a pouco, atrás de nós a fila para Brasília já estava quase chegando ao aeroporto de Congonhas!

"Pode me dar uma licença?"

Eram as pessoas que estavam por ali e que precisavam passar para o outro lado. O aeroporto, na realidade, a partir desse momento, dividiu-se em dois setores: a leste da fila para Brasília da Ocean Air e a oeste da fila para Brasília da Ocean Air. Mas, a fila não andava, pois o atendente não conseguia perceber onde foram parar as reservas das duas pessoas.

Enquanto isso, a fila original ia andando. Se tivéssemos permanecido nela, já estaríamos sendo atendidos. Lógico que isso provocou um início de tumulto, o que fez com que coisinha, que, nessa hora, já havia voltado para trás do balcão, pedisse ao outro atendente para dar prioridade ao pessoal que ia para Brasília.

Chegou nossa vez. Nossa, não! Da Lu. Eu estava ali apenas como acompanhante carregador de uma maleta pesando umas dez arrobas (mas, sem estiletes!)...

A Lu entregou a identidade e o fax ao coisinho nº 2. Ele leu atentamente.

"Mas, não é aqui. É na BRA!"

Eu já estava dando impulso no corpo para pular na garganta dele, quando coisinha interveio.

"Não! Pode fazer!".

Gentes! Será que está havendo roubo de passageiros dentro do aeroporto? A concorrência chegou a esse ponto?

Emitida a passagem, a informação:

"O voo sai às 10,50hs!" Óbvio! 8,50hs já tinha ficado para trás e nem havia tido avião, nesse horário.

A Lu e eu fomos tomar um café. Tirei as fichas e fomos ao balcão.

Gente, sem exagero! Acho que o balcão tinha uns 20 a 30 quilômetros de extensão! E duas menininhas atendendo. E Cumbica inteiro querendo tomar café! Já estava para pedir meu dinheiro de volta, quando, finalmente, fomos atendidos.

A Lu foi para a sala de embarque e eu fui embora. Quando passava pelo térreo, antes de sair da estação de DESEMBARQUE, vi um cubículo onde se deveria pagar o estacionamento.

Gente, se o acaso não tivesse colocado aquele cubículo bem na minha frente, eu iria até o estacionamento e teria de voltar para dentro da estação de DESEMBARQUE para pagar!

Quando cheguei ao estacionamento, vi que, realmente, havia um pequenino aviso de que se devia pagar lá dentro. Mas, só vi esse aviso, na volta. E por acaso! Isso é o que se chama de comunicação moderna.

Peguei o carro e dirigi-me à saida do estacionamento de veículos, junto ao Aeroporto de DESEMBARQUE de Cumbica. Gente, onde é a saída do estacionamento? Aquilo é enorme, existem inúmeras setas indicativas de direção às vagas. Mas, indicação de saída, que é bom, nada!

Como é triste morar num país terceiromundista!

Perto das onze horas, a Lu telefonou. O avião sairá ao meio dia!

Passava de uma da tarde, a Lu ligou mais uma vez!

Agora, a saída está prevista para as 15 horas. De qualquer forma, ela liga quando houver certeza. No momento, ela juntou-se a um grupo que vai protestar. Mas, protestar com quem? Com coisinha? Com coisinho? Como coisinho nº 2?

Já são 2 e meia da tarde e nada de notícias da Lu.

Será que a Ocean Air tem avião ou essa é mais uma picaretagem engendrada por políticos lotados em Brasília, para enganar o povo trouxa?

Abração
JF

4 comentários:

Jack disse...

Caramba JF, isso que eu chamo de incompetência... Um tempo atrás prenderam o Juca Chaves quando ele botou um monte de tartaruga num palco e cantou " Esse é um país que vai pra frente..."
Pior, nada mudou!
Bjocks, adorei saber do seu blog, vou linkar lá no meu cantinho...

luizcarlos disse...

Por uma dessas que decidi viajar apenas de ônibus.
Um abraço

Maith disse...

Olá!
Sou amiga da Lu e foi um prazer conhecer este espaço do pai dela.
Espero que possamos ser amigos também.

Visite meus blogs
www.cuidadoestaoteespiando.blogger.com.br
www.bisavo.blogger.com.br

Anônimo disse...

Salve JF, grande amigo, grande família e agora vizinhos (assim dá pra curtir mais vezes o café da Nina...kkkk).

Grande abraço
Eduquirino